Dicas de viagem

Colocamos nesta página algumas dicas de nossas viagem pelo Brasil e pelo mundo, ops … ainda não! E pela América do Sul. Temos algumas dicas que podem te ajudar na sua próxima viagem.

 

DOCUMENTAÇÃO:

O que você precisa saber para sair do país com o seu veículo. Como fomos para Argentina, Chile, Peru e Uruguai, essas informações são específicas desses países.

Veículo Financiado

Se o veículo estiver financiado, a burocracia para uma viagem internacional é um pouco maior. Deve ser solicitada a financeira, uma autorização, permitindo a saída do veículo, informando as datas de saída e regresso ao país. Em posse desta, levá-la ao Consulado do país que deseja viajar para autenticá-la.

Seguro carta verde

O seguro de Responsabilidade Civil, mais conhecido como seguro carta verde, é OBRIGATÓRIO para o ingresso de veículos automotores terrestres, não matriculados nos países de ingresso no âmbito do Mercosul.

O seguro pode ser adquirido para 3, 5, 15 ou 30 dias de validade. Para uma necessidade de prazo diferente destas, deve-se fazer uma combinação.

Ex.: Para uma viagem de 17 dias, adquira um com validade de 15 dias e outro para 3 dias, sendo este último com data de início para entrar em vigor no dia seguinte ao vencimento do anterior.

Abaixo a transcrição da resolução que criou este seguro:

A Resolução n.º 120/94, do Grupo Mercado Comum do MERCOSUL, aprovou, em caráter obrigatório, a partir de 01.07.95, um seguro que cubra a Responsabilidade Civil do Proprietário e/ou Condutor de Veículos Automotores Terrestres (automóvel de passeio – particular ou de aluguel), não matriculados nos países de ingresso em viagem internacional- danos causados a pessoas ou objetos NÃO TRASPORTADOS. Inicialmente tal obrigatoriedade não se aplicou ao Paraguai, o que deveria acontecer somente em 2006. Todavia, as Seguradoras brasileiras já incluíram o referido país no rol dos países com cobertura.

As coberturas do seguro são: Morte e/ou danos pessoais e despesas médico hospitalares e danos materiais causados a terceiros NÃO TRANSPORTADOS e derivados do contrato de seguro;

Garante também, honorários do advogado de defesa do segurado e custas processuais, decorrentes de ações cíveis e desde que o profissional seja escolhido e fixados seus honorários de comum acordo com a Seguradora.

Os riscos não cobertos são, de forma geral, os mesmos constantes das apólices de seguro de Responsabilidade Civil de Veículos, entre os quais: a direção em estado de embriaguez ou sob influência de qualquer droga; condução por pessoa não habilitada; danos causados o próprio Segurado, seus ascendentes, descendentes, colaterais ou cônjuge e pessoas que residam ou dependam economicamente do Segurado, etc.

As importâncias seguradas são:

MORTE, DESPESAS MÉDICO HOSPITALARES e/ou danos pessoais….. US$ 40,000.00 por pessoa;
DANOS MATERIAS………………………………………………………… US$ 20,000.00 por terceiro.

No caso de várias reclamações decorrentes do mesmo acidente (catástrofe), as importâncias seguradas são limitadas a US$ 200,000.00 para danos pessoais e US$ 40,000.00 para os danos materiais;

Saliente-se que haverá que estar caracterizada e comprovada a responsabilidade do Segurado/ Motorista, para liberação de qualquer indenização.

As Seguradoras emitentes das apólices/certificados devem ter, obrigatoriamente, convênios com Seguradoras dos demais países, para o atendimento e encaminhamento dos sinistros (acidentes) porventura ocorridos e cobertos pelos seguros emitidos.

A comprovação, perante as Autoridades, se faz através do Certificado Bilingüe, em original e sem rasuras, o qual, obrigatoriamente, as Seguradoras devem entregar aos Segurados, no modelo padrão aprovado.

Seguro Carta verde

Embora os seguros de RCTR-VI-Danos e Terceiros e RCTR-VI-Danos a Carga abranjam os países do CONESUL (Argentina, Chile, Paraguai, Uruguai, Peru, Bolívia e tabém a Venezuela), o seguro CARTA VERDE se refere somente aos países do MERCOSUL, Argentina, Paraguai, Uruguai e o Brasil, quando emitidos naqueles países.

Seguro SOAT

Seguro OBRIGATÓRIO para circulação de veículos automotores terrestres no Peru. Este seguro cobre o assegurado e terceiros de eventuais danos causados por acidentes de transito.

Documentos necessários:

– Documento original do carro
– Carteira de Habilitação original
– Documento da Aduana Peruana

Fizemos o nosso em uma das muitas lojas da La Positiva, uma seguradora bem conhecida no Peru. Infelizmente quando fomos não era possível fazer o seguro pela internet, e nem no fim de semana, isso teria nos evitado um embaraço que quase nos custou uma multa por não ter o seguro, veja o relato aqui.

Pagamos USD8, por um período de 30 dias em nov/16.

Seguro SOAT

Para maiores informações: http://www.soat.com.pe/sobreelsoat.html

Seguro SOAPEX

Seguro OBRIGATÓRIO para circulação de veículos automotores terrestres de placa estrangeira no Chile. Este seguro cobre o assegurado e terceiros de eventuais danos causados por acidentes de transito.

Para facilitar a vida do viajante é possível fazer o seguro pela internet. Segue o link da seguradora HDI, a qual fizemos o seguro. https://www.hdi.cl/venta/Index.aspx

Pagamos USD10, por um período de 5 dias em nov/16.

Seguro SOAPEX

Para maiores informações: http://www.soapex.com/index.php/que-es-soapex-2/

Permissão Internacional para Dirigir (PID)

Documento necessário que permite que motoristas estrangeiros dirijam legalmente em países que fazem parte da Convenção de Viena.

Apenas condutores habilitados e com Carteira Nacional de Habilitação (CNH), dentro do prazo de validade, podem obter a PID, que terá a mesma data de vencimento e categorias de habilitação da CNH.

O custo do documento equivale a um Duda, código.: 204-6, e será emitido 24h após a entrega da documentação exigida (original e cópia do documento de identidade, original e cópia da Carteira Nacional de Habilitação).

A PID é obrigatória em vários países, mas mesmo as autoridades nunca solicitando, acredito que valha a pena levar. Creio que ninguém vai querer arriscar e jogar fora uma viagem pela falta deste documento.

Informações retiradas de:

DETRAN – http://www.detran.rj.gov.br/_documento.asp?cod=4667

DENATRAN – http://www.denatran.gov.br/informativos/20070611_permissao_internacional.htm

PID

Convenção de Viena – http://www2.mre.gov.br/dai/dtrat.htm

 

LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO:

A legislação de trânsito em outros países de uma forma geral não é muito diferente da nossa: uma placa de sinalização a mais ou algum item de segurança.

  Argentina

– Dois triângulos de sinalização;

– Um cambão (barra de ferro com guinchos nas extremidades para rebocar o veículo);

– Caixa de primeiros socorros, semelhante a que já tivemos aqui.

Obrigatório o uso de farol baixo nas estradas, mesmo durante o dia.

Itens obrigatórios ou não: a polícia Caminera Argentina principalmente, nas províncias de Entre Ríos e Corrientes, possuem a péssima fama de exigir por itens de segurança que não fazem parte da legislação, tais como lençol branco e extintor para moto. Outra forma de extorquir é inventando multas e exigindo o pagamento na hora em dinheiro.

Lei de Trânsito

http://www.insurer.com.ar/leyes/transito.htm

Condução de veículo no Mercosul

http://www.mercosur.int/msweb/portal%20intermediario/turismo_pag/ES/dirigir.html

Cambão

  Chile

Obrigatório o uso de farol baixo nas estradas, mesmo durante o dia.

  Peru

Obrigatório o uso de farol baixo nas estradas, mesmo durante o dia.

  Uruguai

Obrigatório o uso de farol baixo nas áreas urbanas ou estradas, mesmo durante o dia.

A velocidade máxima permitida para os automóveis é de 90km/h, exceto em trechos sinalizados onde se permite chegar a 120km/h.

 

COMBUSTÍVEL:

Em estradas que nunca passamos, costumamos adotar 1/2 tanque como sendo a reserva, assim ainda temos uma boa autonomia caso não achemos um posto próximo. Já andamos por algumas estradas com longos trechos sem postos ou ponto de apoio.

Sem falar que no Brasil, infelizmente, estamos sujeitos a todo tempo abastecer com combustíveis adulterados, ou só encontrar postos de bandeira branca com procedência duvidosa. Se esse for o seu caso, abastecendo sempre metade do tanque para completar, a gasolina “batizada” será misturada com outra e seu veículo ficará menos sujeito a danos causados por essa fraude.

Na Argentina, Chile, Peru e Uruguai países que já estivemos, observamos que não existe mistura de etanol ou aditivo na gasolina, ela é pura. Outra diferença está no nome dos combustíveis: a gasolina é chamada de nafta ou Gasohol, diesel de gasoil e GNV de GNC.

Na Argentina predominam os postos (estación de servicio) da YPF e uma minoria da ESSO, Shell e Petrobras. Vamos comentar um pouco sobre a gasolina destas principais petrolíferas. Normalmente encontramos 2 opções de gasolina nos postos, ambas sem chumbo e de coloração azulada, diferenciando apenas na octanagem.

Tabela de octanagem da petrolífera Argentina YPF:

NOME OCTANAGEM
SUPER >95
INFINIA >98

A maioria dos postos aceitam cartões (tarjetas) de crédito ou débito, principalmente os que ficam nas cidades ou bem próximos aos grandes centros urbanos. Mas os postos que ficam isolados nas estradas, a única forma de pagamento é em dinheiro (efectivo), então tenha sempre alguns pesos em mãos para esta situação.

No Chile não tivemos problema com a forma de pagamento, nem com a octanagem. Sempre abastecemos nos postos da COPEC, onde é vendida pela octanagem (sem nome fantasia): 93, 95 e 97, todas sem chumbo. Quando abastecemos com a 93 o carro rendia menos e a 95 já nos dava uma boa autonomia.

No Peru a principal petrolífera é a Petroperu, mas existem outros postos de bandeira como Repsol. A gasolina é vendida com nome fantasia seguido do valor de octanos que variam desde 84 a mais pobre até 98.

 

MAPAS E ESTRADAS:

Para uma boa elaboração do itinerário, se faz necessário conhecer o estado das estradas. Se o asfalto está bom, ruim, estrada de terra, rípio muito comuns na Argentina e Chile, pistas simples (uma faixa de rolagem) ou duplicada, também influenciam no tempo da viagem. O relevo é outro fator a ser considerado: percursos com grandes trechos em serra aumentam o tempo para se chegar ao destino. Isso sem falar com imprevistos, pneu furado, engarrafamento, etc.

Em geral sabemos que estradas com pedágio são boas, isso pelo lado financeiro pode não ser tão favorável, porém as chances de termos problema com a qualidade do asfalto e a sinalização são bem remotas. Esta regra serve para o mundo todo.

Brasil

Em viagens pelo Brasil costumamos utilizar como o principal “traçador de rotas” o Google Maps, nele obtemos todos os indicativos e confiáveis das estradas, além da quantidade e valores dos pedágios.

Argentina, Chile, Peru e Uruguai

Para viajar por estes países, não conhecemos nenhum mapa impresso bom e confiável. Porém, os sites Welcome Argentina e o Ruta 0 são muito úteis, informando o caminho a percorrer, distâncias entre cidades, mas não trazem uma informação importante, o estado das estradas e o tipo de pavimento. Claro que nestes países também podemos contar com o Google Maps.

– Quase todas as vias que são asfaltadas, estão em boas condições tanto de asfalto quanto de sinalização. Só que nem tudo é perfeito. Muito comuns na Argentina e Chile, o rípio é o terror para nós brasileiros, por não estarmos acostumados com esse tipo de piso, uma espécie de terra, com pó de pedra e pedras arredondadas, mas logo se “aprende a guiar”. Abaixo listamos alguns cuidados para passar sem problemas por estas estradas.

– Diminua a velocidade quando vier um veículo em sentido contrário, pois podem “pular” pedras nos faróis e vidros.

– Faça curvas devagar e movimentos suaves no volante, por causa das pedras redondas o veículo tende a “escorregar” tangencialmente para fora da estrada.

Ex. estradas de Rípio

– Quando o rípio está bem cuidado, consegue-se andar a 80km/h sem problema, mas existem estradas em péssimo estado de conservação em que a máxima não passa de 20km/h.

GPS

Nosso grande aliado durante a viagem. Sem ele, teríamos nos perdido e tido dificuldades para achar as ruas e até mesmo chegar aos nossos destinos, muitas vezes só alcançados a noite.

No Brasil existe o projeto Tracksource, mapeando o Brasil de forma voluntária e disponibilizando os mapas gratuitamente para GPSs Garmin. Muito bom por possuir rotas off road e uma grande quantidade de POI’S.

Tracksource www.tracksource.org.br

Na Argentina, Bolívia, Chile, Paraguai, Peru e Uruguai, atualizamos o GPS com mapas fornecidos gratuitamente pelo “Proyecto Mapear”, mapas eletrônicos argentinos, o chamado cone sul. Excelentes mapas com enormes quantidades de POI’s, também só disponibilizado para Garmin.

Proyecto Mapear www.proyectomapear.com.ar

Também utilizamos dicas e inspiração de relatos de viagens em outros BLOGs.

Campos obrigatórios são marcados com *.